30 de mai de 2014

40 insuportáveis segundos! Mas real o bastante para mostrar como é desesperador o sofrimento e o desamparo das crianças que sofrem violências físicas cotidianamente dentro de sua própria casa

 

(caso a legenda não apareça automaticamente, clique no link legenda que fica no rodapé do vídeo)

 

“Não posso esperar até eu crescer. Eu tenho direito de ser feliz. De ser cuidado e acolhido. De sentir-me amado. De ser escutado e ouvido. De nunca, mais tremer de medo. Nem jamais ser empurrado, golpeado, chutado ou sacudido... Lutarei pelo direito de crianças como eu que não tem infância. Não posso esperar até eu crescer...”.

Comercial da ISPCC – Always here for Children

 


Enviado por Helenilza Teixeira em 30 de maio de 2014

26 de mai de 2014

Seminário de Vigilância da Violência Sexual – Porto Alegre (RS)

Seminário de Vigilância da Violência Sexual

27 e 28 de Maio de 2014

Hotel Ritter

 

Programação:

Dia 27 de Maio de 2014

13h - 13:30h Recepção dos participantes

13h: 30 - 14h Abertura

14h - 14:45 Programa Nacional de Vigilância da Violência Doméstica, Sexual e outras Violências – VIVA – Dra. Cida Alves

14h:45 - 15h:30 Formação de Rede Para Atendimento à Mulher – Dra. Verônica Alencar - Campinas/SP

15h:30 -16h:15 Experiência de Atendimento a Crianças e Adolescentes em Situação de violência Sexual - Eliane Soares -Coordenação CRAI/HMHPV

16h:15 - 16h:45 Perguntas

16h:45 – 17h:30 Política da Saúde da Mulher – Mariana Seabra/ Coordenação Estadual da Saúde da Mulher

17h:30 - Coquetel

Dia 28 de Maio de 2014

8h:30 - 9h Recepção dos participantes

9h - 9h:45 Trabalho Desenvolvido na “Sala Lilás” do Instituto Geral de Pericias – Psicóloga Cláudia M. Carvalho/IGP

9h:45 -10h:30 Experiência do atendimento a pessoas em situação de violência sexual no Hospital Conceição – Dr. Claudio Campello/Chefe Centro Obstetra

10h:30 -10h:45 Intervalo

10h:45 - 11h:15 Perguntas

11h:15 - 12h Atuação Profissional nos Casos de Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes – Jean Von Hohendorff - Membro do Centro de Estudos Psicológicos CEP-Rua da UFRGS e do Grupo de Pesquisa Violência, Vulnerabilidade e Intervenções Clínicas (GPEVVIC) da PUCRS.

12h - 13h:30 Intervalo

13h:30 - 14h:15 Aspectos Jurídicos sobre Violência Sexual – Promotora de Justiça de Nova Petrópolis Dra. Tânia M. H. Bittencourt

14h:15 - 14h:35 Perguntas

14h:35 - 15h:20 Profilaxias das DSTs/AIDS em Situação de Violência Sexual – Jussara San Leon – Coordenação de DSTs/AIDS-SES

15h:20 - 16h Profilaxia da Hepatite – Helena M. T. Ramos/CEVS

16h - 16h: 30 Perguntas

16h:30 - 17:15 Programa Estadual de Vigilância da Violência Doméstica, Sexual e outras Violências – Tânia Santos – Chefe NVDANT

17h: 15 - 17h:30 Perguntas

17:30 Coquetel

24 de mai de 2014

“Una sonrisa de domingo y nos sentimos verdaderos…”

 

 

Deputado Pastor Eurico destila ódio, moralismo e intolerância na Comissão de Constituição e Justiça

Manifestação de Repúdio

O blog Educar Sem Violência vem a público manifestar repúdio  ao comportamento desrespeitoso do Deputado Pastor Eurico e se solidarizar com a apresentadora Xuxa Meneghel.

O movimento que visa erradicar os castigos físicos e humilhantes na educação e no cuidado de crianças e adolescentes tem plena consciência do importante papel que Xuxa Meneguel vem desempenhando na defesa do aprimoramento do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Ela teve a coragem que muitos pesquisadores da área da infância e ativistas dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes não tiveram. A coragem de ir contra o senso comum e se posicionou publicamente contra uma cultura legitimada no Brasil: a prática de bater e humilhar para “educar”.

Ela pós sua popularidade e seu carisma a serviço da luta pela garantia do direito de toda criança e adolescente crescer e se desenvolver livres de práticas punitivas e disciplinares que causam dor, sofrimento e humilhação.


  Intolerância versus Elegância

O ódio moralista e a elegância

Acesse o odioso e moralista pronunciamento do Deputado Pastor Eurico AQUI

22 de mai de 2014

Lei da Palmada é aprovada na CCJ da Câmara e segue para o Senado com o nome de Lei "menino Bernardo",

Bernardo

Gauchinho lindo, uma morte como a sua jamais
deveria ter acontencido. Nós da Rede Não Bata Eduque lutaremos até o fim para que ela não seja em vão e que nenhuma criança brasileira passe pelo sofrimento que você passou.

 

Chamada até então de Lei da Palmada, o projeto seguirá para o Senado com o nome de Lei "menino Bernardo", em homenagem ao garoto Bernardo Boldrini, assassinado no Rio Grande do Sul. Passado o debate acalorado da sessão promovida pela manhã e a presença da apresentadora Xuxa Meneghel, a bancada evangélica - que vinha obstruindo a votação do projeto nos últimos anos - cedeu e houve um acordo para a alteração do texto final.


Após dois anos de tramitação na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados, foi aprovado na noite desta quarta-feira (21), no colegiado, o projeto de lei que altera o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e proíbe a aplicação de castigos físicos a crianças e adolescentes.

O relator Alessandro Molon (PT-RJ) acrescentou apenas à definição de castigo a expressão "que resulte em sofrimento físico ou lesão" à criança ou ao adolescente. "Não queremos que as crianças sejam espancadas e tratadas de forma humilhante, seja com castigo físico ou não", disse o relator.

O entrave era a bancada evangélica, que temia a "interferência" da legislação na educação familiar. O relator enfatizou que a proposta não prevê sanções aos pais por usar métodos punitivos na educação dos filhos, apenas encaminhamento dos pais denunciados ao Conselho Tutelar para orientação e, no máximo, advertência.

Na avaliação do petista, a presença de Xuxa pela manhã foi decisiva para a aprovação do texto. O caso Bernardo Boldrini também ajudou a sensibilizar os parlamentares, por isso o nome da lei foi alterado. Os deputados fizeram questão de retirar da lei o sobrenome do pai do garoto. "Não seria possível, exatamente numa lei que seria para evitar casos como esse, incluir o sobrenome de quem eventualmente tenha participado dessa tragédia", justificou o relator.


Fonte: OUL NOTÍCIAS

Oficina técnica – agenda de convergência capacitação para grandes eventos e a violação dos direitos da criança e do adolescente

Objetivo Geral: Enfrentamento às situações de violência: tráfico de pessoas, exploração e turismo sexual na copa 2014.

Objetivo Específico: Socializar as ações de prevenção, proteção no atendimento integral as crianças e adolescentes em situações de vulnerabilidade em grandes eventos.

Programação dia 22 de Maio de 2014:

08h00min. -Recepção e credenciamento

08h15min. - Solenidade de Abertura

08h45min. - Coffee break

1º Painel: 09h20min às 10h10min

Coord. Mesa: Carlos Alberto Caetano (Conselho Estadual de Educação)

09h20min. - Dr. José Antônio Borges (Rep. Ministério Público do Estado - 20min)

09h40min. - Rep. Secopa (20min)

10h00min - Eliacir Pedrosa (Rep. da Secretária Estadual - 20 min.)

10h00min. - Debates (20min)

Intervalo: Apresentação do vídeo – 05 min.

2º Painel: 10h30min às 11h40min

Coord. Mesa: Terezina Fátima Paes de Arruda (UNIVAG)

10h 30min. “Compromisso ético na atenção a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual” - Drª Maria Aparecida Alves da Silva (Psicóloga da Secretaria de Saúde de Goiânia - GO e integrante da Rede Não Bata Eduque - 30min)

11h - Rep. Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos

Secretário Adjunto Valdemir Pascoal (20min)

11h20 min. - Debates (10min)

11: 40h às 13h30min – Intervalo para almoço

3º Painel: 13h30min às 15h00min

Coord. Mesa: Prof. Alan Kardec Benidez

13h30min - Rep. Secretaria de Estado de Segurança Pública

Cel. Rosalina Gomes de Pinho (20 min)

Dr. Paulo Alberto Araújo (20 mim) – Polícia Civil DEA

CBM Major Tarciana Nogueira Ramos (20 min)

14h30min. - Debates (20min)

14h50min às 15hmin – Intervalo

4º Painel: 15h às 17h10min

Coord. Mesa: Eliacir Pedrosa – SES

15h00min. – Drª Maria Aparecida Alves da Silva (Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia - GO e integrante da Rede Não Bata Eduque) “Estratégias no combate a exploração sexual de crianças e adolescentes no contexto da copa” – 20min)

15h20min. - Cristiane Almeida da Silva Campos (Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos de Cuiabá -20min)

15h40min Profª Catarina Cortez (Secretaria de Estado de Educação- Superintendente de Educação Básica - 20min)

16h00min. - Rep. Secretaria Municipal de Turismo e Cultura – Jefferson Moreno (20min)

16h20 min. Rep. SETAS (20min)

17h00min Debates / Considerações finais (10min)/ Encerramento


Programação dia 23 de Maio de 2014:

08h00min.

1º Painel: 08h20min as 09h

Coord. Mesa: Valdemir Pascoal – SEJUDH

08h 20 min. Dr. Marcela Dória - MPT

(Rep. Ministério Público do Trabalho -20 min.)

08h40min. - Mauro Cesar Souza

(Rep. Conselho Estadual de Defesa de Direitos das Crianças e Adolescentes de Mato Grosso – 20 min.)

09h10min. - CMDCA (Cuiabá, Várzea Grande, Poconé, Santo Antonio, Nobres e Livramento).

2º Painel: 10h 30min. as 12h00min

Coord. Mesa: Profª Catarina Cortez

10h30min. às 11h30min. - Apresentação dos Conselhos Tutelares (Cuiabá, Várzea Grande, Poconé, Santo Antonio, Nobres e Livramento).

12h00min. às 13h30min. – Intervalo para almoço

3º Painel: 13h30min às 16h30min

Coord. Mesa: Albimárcia Espíndola - SEDUC

13h30min. - Apresentação do Fluxo de Atendimento na Saúde do plantão integrado para a COPA (Ma. Josiane Rodrigues – SMS Cuiabá-MT – 30 min.)

14h00min. - Fluxo de Atendimento do trabalho infantil do plantão integrado para a COPA (Dúbia CEREST Estadual / SES – 20 min.)

14h30min. – Fluxo de Atendimento da Secretaria Municipal de Assistência Social e Desenvolvimento Humano ( Cristiane de Almeida da Silva Campos – 20 min.)

15 h Debates/ considerações finais

16h00min. – Encerramento

Local: Auditório da Promotoria de Justiça de Mato Grosso - Centro Político Administrativo – (ao lado do Fórum)

Realização: Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso - Equipe Técnica GEVIDANT

21 de mai de 2014

As relações étnico raciais e de gênero no contexto da exploração sexual – Apresentação do SEMINÁRIO “NÃO DESVIE O OLHAR: DIGA NÃO À EXPLORAÇÃO SEXUAL

Estimados(as) leitores(as) disponibilizo aqui a apresentação “As relações étnico raciais e de gênero no contexto da exploração sexual”. Embora não seja possível apresentar os comentários explicativos de cada lâmina, espero que mesmo assim ela contribua de alguma forma com os trabalhos de vocês e com o enfrentamento às violências que atingem as mulheres, especialmente as mulheres negras

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

 

image

18 de mai de 2014

SEMINÁRIO: NÃO DESVIE O OLHAR: DIGA NÃO À EXPLORAÇÃO SEXUAL – 19 de maio\Goiânia

Folder Modificado FRENTE

Programação:

8h30 CREDENCIAMENTO

9h ABERTURA:

HINO NACIONAL – Banda da Polícia Militar do Estado de Goiás

DISCURSOS:

Autoridades presentes

9h30 ASPECTOS ÉTICOS NA ATENÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTESVÍTIMAS DE VIOLÊNCIA SEXUAL

MARIA LUIZA MOURA OLIVEIRA

Psicóloga e presidente do Fórum Goiano de Enfrentamento à Violência Sexual ContraCrianças e Adolescentes

10h15 AS RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS E DE GÊNERO NO CONTEXTO DA

EXPLORAÇÃO SEXUAL

MARIA APARECIDA ALVES DA SILVA

Psicóloga, doutora em educação e integrante da Rede Não Bata Eduque

11h DEBATES

11h30 INTERVALO PARA ALMOÇO

13h30 ESTRATÉGIAS NO COMBATE A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E

ADOLESCENTES NO CONTEXTO DA COPA

LUCIANO FERREIRA DORNELAS

Delegado da Polícia Federal em Goiás

14h15 PLANO NACIOANL DE ENFRENTAMENTO A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE

CRIANÇAS E ADOLESCENTES: DIRETRIZES E NOVOS DESAFIOS

KARINA PARECIDA FIGUEIREDO

Secretária Executiva do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes

15h DEBATES

16h ENCERRAMENTO

Realização:

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Coordenadoria de Infância e Juventude Capital/Interior

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS - CAO da Infância e Juventude

APOIO:

Rede de Atenção a Crianças, Adolescentes e Mulheres em Situação de Violência de Goiânia – ASMEGO – ESMEGO - FIEG\SESI


19 de maio de 2014

Local: Associação dos Magistrados do Estado de Goiás – ASMEGO

Rua 72, 192 – Jardim Goiás, Goiânia – Goiás

Público-alvo: Rede de Proteção da criança e do adolescente e sociedade em geral

Inscrições e certificação AQUI

Escola Superior da Magistratura de Goiás – ESMEG

Fone: (62) 3281-9226

www.esmeg.org.br

18 de maio - Dia Nacional Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescente

Menina exploração sexual

"Se não vejo na criança uma criança, é porque alguém a violentou antes, e o que vejo é o que sobrou de tudo que lhe foi tirado. Essa que vejo na rua sem pai, sem mãe, sem casa, cama e comida, essa que vive a solidão das noites sem gente por perto, é um grito, é um espanto. Diante dela, o mundo deveria parar para começar um novo encontro, porque a criança é o princípio sem fim e o seu fim é o fim de todos nós"

Betinho - Herbert de Souza

12 de mai de 2014

Curso de Educação à Distância (EaD) “Atenção a homens e mulheres em situação de violência por parceiros íntimos”

Prezado e Prezada Colegas, boa tarde.

Informamos que encontram-se abertas as inscrições para o Curso de Educação à Distância (EaD) Atenção a homens e mulheres em situação de violência por parceiros íntimos.

Este curso é uma iniciativa do Ministério da Saúde, via Coordenação Nacional de Saúde dos Homens, em parceria com a Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres e execução do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal de Santa Catarina.

O curso é destinado a profissionais da Atenção Básica - modelo tradicional, Estratégia de Saúde da Família/ESF e Núcleo de Apoio a Saúde da Família/NASF - e profissionais de saúde que prestam atenção às pessoas privadas de liberdade.

Seu principal objetivo é que estes profissionais possam reconhecer eventuais situações de violência vivenciadas nas parcerias íntimas, realizando a identificação, o acolhimento e os encaminhamentos adequados no âmbito do SUS.

Apesar de não estar destinado a todos os profissionais que atuam na rede de atenção às populações em situação de violências e figurar no site como um curso que já se iniciou (30/04/2014), em contato com a Universidade Federal de Santa Catarina, fomos informados que há a possibilidade de que outros profissionais sejam contemplados. Bastando para isso que enviemos os nomes, a formação e a área de atuações dos profissionais interessados em se capacitarem.

Mais informações sobre curso poderão ser obtidas por meio do endereço eletrônico
http://violenciaesaude.ufsc.br/

Dessa forma, caso você esteja interessado (a) em se capacitar nessa temática, solicitamos preencher a ficha de inscrição anexa e nos enviá-la por meio do e-mail gerenciasmca@gmail.com (assunto: Curso sobre Violência - UFSC).

Atenciosamente,

Área Técnica de Atenção Integral à Saúde de Mulheres, Crianças e Adolescentes em Situação de Violências

Gerência de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente
Superintendência de Políticas de Atenção Integral à Saúde

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE GOIÁS

GSMCA/SPAIS/SES/GO
Avenida 136, Qd. F - 44, Lt. 22 a 24 - Setor Sul
Edifício Cesar Sebba - 7º andar
Telefone: 3201-7000 Ramal: 7893
Cep: 74.093 - 250
Goiânia - Goiás

11 de mai de 2014

Desejo colos de algodão com cheiro de jasmim

O nascimento é arbitrário! Não se pode escolher de quem seremos pais ou filhos. Na distribuição aleatória que a concepção determina, alguns são entregues a pessoas que não conseguem ou querem amar. Entregues a colos de espinhos.

E nada, absolutamente nada que os recém-chegados tenham ou sejam, justifica corações gelados e braços vis. Meninos e meninas não se penalizem, “os meninos são todos sãos”*, se alguém não os escolheram é por que não os merecem.

O meu desejo - nesse dia opressor para os filhos e as filhas que precisam sair de suas casas para se protegerem da brutalidade de suas matrizes, é que eles sintam o calor do colo do mundo, colo feito de algodão e com cheiro de jasmim”

Cida Alves

 


*Versos da canção Drão de Gilberto Gil

7 de mai de 2014

SEMINÁRIO: NÃO DESVIE O OLHAR: DIGA NÃO À EXPLORAÇÃO SEXUAL – 19 de maio\Goiânia

 

Folder Modificado FRENTE

Programação:

8h30 CREDENCIAMENTO

9h ABERTURA:

HINO NACIONAL – Banda da Polícia Militar do Estado de Goiás

DISCURSOS:

Autoridades presentes

9h30 ASPECTOS ÉTICOS NA ATENÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA SEXUAL

MARIA LUIZA MOURA OLIVEIRA

Psicóloga e presidente do Fórum Goiano de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes

10h15 AS RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS E DE GÊNERO NO CONTEXTO DA

EXPLORAÇÃO SEXUAL

MARIA APARECIDA ALVES DA SILVA

Psicóloga, doutora em educação e integrante da Rede Não Bata Eduque

11h DEBATES

11h30 INTERVALO PARA ALMOÇO

13h30 ESTRATÉGIAS NO COMBATE A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E

ADOLESCENTES NO CONTEXTO DA COPA

 LUCIANO FERREIRA DORNELAS

Delegado da Polícia Federal em Goiás

14h15 PLANO NACIOANL DE ENFRENTAMENTO A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE

CRIANÇAS E ADOLESCENTES: DIRETRIZES E NOVOS DESAFIOS

KARINA PARECIDA FIGUEIREDO

Secretária Executiva do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes

15h DEBATES

16h ENCERRAMENTO

Realização:

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Coordenadoria de Infância e Juventude Capital/Interior

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS - CAO da Infância e Juventude

APOIO:

Rede de Atenção a Crianças, Adolescentes e Mulheres em Situação de Violência de Goiânia – ASMEGO – ESMEGO - FIEG\SESI


19 de maio de 2014

Local: Associação dos Magistrados do Estado de Goiás – ASMEGO

Rua 72, 192 – Jardim Goiás, Goiânia – Goiás

Público-alvo: Rede de Proteção da criança e do adolescente e sociedade em geral

Inscrições e certificação AQUI

Escola Superior da Magistratura de Goiás – ESMEG

Fone: (62) 3281-9226

www.esmeg.org.br

Linchamento da Maria de Jesus de Guarulhos, quem deveria pagar por esse crime cruel?

Jornalista e âncoras de TV que incitam o justiçamento

Ditos cidadãos de bem que fazem apologia à violência

Pessoas que preferem filmar o horror a proteger a vítima

Homens e mulheres que ferem e matam sem nenhuma chance de defesa

Que todos sejam responsabilizados criminalmente por essa barbárie imperdoável

Olho por olho dente por dente DRFA

Acesse o program 3 a 1 que debateu a formação de grupos de justiceiros AQUI

 


DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS
Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)
da  Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Artigo V
Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante.

Artigo IX
Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado.

Artigo XI
1. Toda pessoa acusada de um ato delituoso tem o direito de ser presumida inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo com a lei, em julgamento público no qual lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa.   
2. Ninguém poderá ser culpado por qualquer ação ou omissão que, no momento, não constituíam delito perante o direito nacional ou internacional. Tampouco será imposta pena mais forte do que aquela que, no momento da prática, era aplicável ao ato delituoso.


Foto capturada no Jornal Comunicação em 19 de maio e 2013

5 de mai de 2014

Fonte TV debate o tema da violência contra crianças e adolescentes

Entrevista Fonte TV Violência contra Crianças 1

O programa Nossa Gente da emissora Fonte TV (Canal 5) realizará amanhã (06 de maio) um debate sobre o tema da violência contra crianças e adolescentes.

Apresentação:

Dep. Est. Fábio Sousa

Debatedores:

Laura Bueno - procuradora de justiça\Ministério Público do Estado de Goiás

Cida Alves – psicóloga especialista em atendimento de pessoas em situação de violência\Divisão de Vigilância às Violências e Promoção da Saúde - SMS de Goiânia

Mônica Barcellos Café – participação especial na reportagem de abertura do programa

 

Fonte TV

 

 

O programa vai ao ar às 23hs do dia 06 de maio e será reprisado na quarta-feira , 07 de maio ao meio dia.

3 de mai de 2014

Cartografia de uma paixão minúscula – Cida Alves

Belchior 7

"Quando eu não tinha o olhar lacrimoso
Que hoje eu trago e tenho...
Quando eu ganhava esse mundo de meu Deus
Fazendo eu mesmo o meu caminho
Por entre as fileiras do milho verde que ondeiam
Com saudades do verde marinho
Eu era alegre como um rio
Um bicho, um bando de pardais".

Belchior
 


Cartografia de uma paixão minúscula
 
Em meados do ano passado compartilhei em meu perfil uma foto em que interpretava uma figura feminina lasciva, com pinta e olhos de Marilyn. Minha filha mais velha, que carrega na face esquerda uma linda e autêntica pinta, ao ver o meu retrato comentou: “minha mãe tem inveja de minha pinta”. 
 
Ao ler a palavra inveja, senti um sorriso se desenhar em um canto de minha boca. Na fração de minuto que ele durou em meus lábios, uma bobina de lembranças se desenrolou e conclui: não é inveja! A palavra que define o meu sentimento por essa marquinha circular e negra na pele é paixão! Nesse instante, fiz uma pequena promessa, um dia vou contar uma velha estória para minha filha. Uma estória de paixão a primeira vista. 
 
Ontem à tarde, ao ouvir a música “Alucinação” de Belchior, decidi que estava na hora de contar a estória de uma paixão despertada por uma imagem que surge do tubo de uma TV. Para esclarecer o impacto dessa aparição em minha vida tenho que recuar um pouco no tempo. Nascer em uma cidade pequena e ser filha de uma humilde e numerosa família me proporcionaram muitas vantagens. Aprendi a andar sem medo pela cidade e a viver meio jogada nos dias. A experiência de brincar por horas a fio em ruas de terra vermelha e de desperdiçar por puro gosto o tempo em bancos de madeira imprimiu delícias em meu corpo.
 
Como se não bastasse o tempo esticado e a liberdade de ir e vir, o clima tórrido de minha cidade criava sensações fantásticas. No calor escaldante de agosto eu via o horizonte ficar mole no ar. No tempo da chuvarada sem fim os rodapés de muros e as calçadas se vestiam de veludo verde. Amparada pelo álibi do sufocante calor, eu - que não era a Remédios de Macondo*, podia me amotinar contra o uso de roupas. Até os 5 anos só vivia de calcinhas, depois dessa idade passei a trajar largas camisolas ou saiões, que só tirava quando tinha que vestir o uniforme ou colocar roupa de festa. Por uma década,  meu corpo de menina viveu o gozo da frouxidão. Mas desafortunadamente, o anunciar da puberdade encerrou o tempo de largura, imensidão e velocidade em minha vida.
 
 
chuva ininterrupta em Macondo
Quase cinco anos de chuva em Macondo
 
Sem bater na porta e pedir licença “veio o tempo negro e a força fez comigo o mal que a força sempre faz”. Por medo dos riscos que a mocidade implica nas meninas, usurparam de meu espírito a alegria de rio e do meu corpo a liberdade de correrias e quintais. Fui aquartelada em nome de uma ordem arbitrária: jamais ficar na casa dos outros ou de brincar na rua com a molecada da vizinhança ou da escola. Nesse momento conheci a experiência da solidão. 
 
Solidão construída por cuidados e temores maternos. Temores que sempre assombram mães de meninas. Pobres mãezinhas, porque será que o mundo impôs a elas a sisifica missão de conter água nas mãos, de tentar aprisionar o que não se encarcera por ser de natureza líquida? A água sempre buscará brechas, fendas para cumprir a sua sina de escorrer. 
 
Imersa em um claustro de móveis opressores e sob a ordem do recato, tive que aprender a controlar o meu ímpeto de ruas, enxurradas e galhos de árvores ouvindo música. Por compaixão, a grande vitrola de pés de madeira e sapato de metal dourado, então minha inseparável companheira de longas tardes, me apresentou Elis Regina, Chico Buarque, Elvis Presley, Secos e Molhados, Luiz Gonzaga e algumas músicas clássicas da trilha sonora da novela “O bravo”. 
 
De consolo a música se converteu em alimento para o meu corpo. Faminta desse pão, um dia eu encontrei a música de Belchior.  De pronto gostei de sua voz de navalha e da fúria  que as canções “Apenas um rapaz latino americano”, “À palo seco”, “Saia do meu caminho”, “Galos, noites e quintais” e “Coração Selvagem” exalavam. Mas foi a arcaica masculinidade - feita de bigode indiscreto, cabelos longos, olhos miúdos quase ocultos por um chapéu e, especialmente, uma pintinha no rosto, que me deixou apaixonada pelo rapaz que cantava: “a felicidade é uma armas quente, queeeeeente, queeeeente.....".
 
No dia seguinte à descoberta do rosto pretérito - momentos antes de ir à escola, fui sorrateiramente à penteadeira de minha mãe, fiz uma pinta no meu rosto com o lápis creon, na loja do meu pai peguei um boné, vesti a saia caqui pregueada e a blusa de tergal branca, assim estava pronta. Toda “Lord” para viver as horas mais alegres do dia. Corri para a escola, que ironicamente ostentava o nome de um ditador militar, atravessei o portão e me posicionei na fila da porta da classe vestida de um “rapaz latino americano”.
 
 
Remédios, a bela, subindo ao céu
Remédios, a bela, subindo ao céu de corpo e alma
 
Estranhamente e por dias seguidos, eu não sofri nenhuma repreensão de meus pais nem de minha professora por usar esse dramático figurino. Para meu deleite e sem sofrer sanções públicas, assisti aula, merendei e corri pelo imenso pátio da escola tatuada com uma nova paixão, a pinta do Belchior. Só não conseguia entender como nenhum adulto percebeu que o meu travestismo era escandaloso, pois semelhante à voz do rapaz latino, ele denunciava um sensual e subversivo encanto de uma menina de 10 anos por um rapaz de pinta e bigodes fartos. Puff, como são cegos os adultos! Obcecados em reprimir e controlar a sexualidade das meninas, eles vêm malícia onde há inocência e não enxergam o veio, o belo nascedouro, por  onde genuinamente a sensualidade flui.  


belchior 6
 
É isso filha, tenho paixão por indiscretas pintas no rosto. E para minha alegria essa paixão reapareceu mais duas vezes em minha vida. Na segunda ela emergiu do rosto de um jovem estudante de câmara na mão e de espírito inquieto pelo qual me enamorei aos 15 anos e na última vez da bochecha de uma menina de cabelos revoltos e alma de mar manso que saiu de meu ventre.
 
Cida Alves
Goiânia, 01 de maio de 2014.
     


Uma carta de mãe para filha, inspirando na música “Alucinação” de Belchior e na expressão “Cida Alterada” dita pelo querido e velho amigo, o ator e diretor Deusimar Gonzaga, ao ver uma foto em que porto em meu rosto uma pinta inventada.
 
*Remédios é uma personagem do livro “Cem anos de solidão” de Gabriel García Marquez, acesse um trecho do capítulo que narra a sua história AQUI.
 
Fonte das ilustrações: CEM ANOS DE SOLIDÃO POR CARYBÉ
Fotos capturadas nos sites BRASILPOST e VAGALUME